Maranhão Independente

As notícias mais importantes escritas por jornalistas independentes do estado.
O lamentável Massacre de Eldorado dos Carajás completa 26 anos

(Créditos: Amnesty International)

Há 26 anos acontecia um dos episódios mais lamentáveis da história do nosso país, o massacre de Eldorado dos Carajás, no Pará, no qual 21 camponeses do Movimento Sem-Terra (MST) foram assassinados por cerca de 150 policiais que os cercaram numa área da região de Eldorado conhecida como “Curva do S”, localizada na BR-155, no dia 17 de abril de 1996.

O protesto no qual ocorreu a chacina estava sendo realizado após os Sem-Terra terem ocupado a fazenda “Macaxeira”. Essa ocupação de terras é tratada, pelo próprio Movimento, como sua mais importante luta, pois é a partir disso que denunciam terras griladas e/ou improdutivas.  Cerca de 3.500 pessoas estavam no local e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) já havia garantido a eles a desapropriação do terreno para a reforma agrária.

No entanto, um laudo acabou sendo o início da revolta dos camponeses. O documento declarava a fazenda como produtiva, o que na prática ia em favor do dono da propriedade e colocava os sem-terra como “vilões” da história. Por esse motivo foi iniciada a marcha, para pressionar as autoridades, pois, de acordo com o Movimento, a veracidade do laudo não era positiva.

Monumento na curva do "S" lembra 19 mortes e ainda faz protesto também pelos crimes ambientais na região. — Foto: Marcello Cesae Jr/Agência Brasil
Monumento na curva do “S” relembra as mortes e ainda faz protesto por crimes ambientais na região (Créditos da imagem: Marcello Cesae Jr/Agência Brasil)

Kelli Mafort, coordenadora nacional do MST, mencionou, em entrevista, os efeitos causados após o massacre: “Esse massacre causou muita repercussão. Foram muitos protestos em todo o país. Na época, o governo Fernando Henrique Cardoso foi obrigado a criar o Ministério do Desenvolvimento Agrário, que já foi acabado no golpe contra a ex-presidenta Dilma Rousseff. Ele foi obrigado a dar uma resposta porque ficou evidente que não havia reforma agrária no país e estavam se abrindo caminhos para mais massacres”, declarou ao “Brasil de Fato”.

Desde então, o Movimento segue ocupando as terras griladas e/ou improdutivas, buscando gerar respostas positivas do poder público em relação à concentração de terras no Brasil. A luta pela reforma agrária tem como intuito distribuir terras a todos os camponeses que necessitam, democratizando assim a propriedade da terra. No entanto, esse desafio não tem sido nada fácil. Ainda há muita violência – e impunidade – partindo daqueles que se acham “donos de terra”.

No último dia 10 de abril, o acampamento “Marielle Vive”, na região metropolitana de Campinas, em São Paulo, sofreu dois ataques consecutivos a tiros. Ninguém foi ferido, mas o terror, obviamente, ainda assim permanece. Apesar da situação, as famílias continuam no local, resistindo e lutando pela reforma agrária popular.

No dia 14 de abril deste ano, cerca de 100 famílias camponesas foram ameaçados pelo proprietário da fazenda “Santa Cecília Belvale”, da empresa SIDERPA Energética e Agropastoril LTDA, em Gameleiras (MG). Um suposto gerente e mais três homens foram armados ao local, sem apresentar qualquer documento que comprovasse a posse – ou mesmo reintegração de posse – aos moradores, como mostra o vídeo publicado pela CPT-MG. Segundo os sem-terra, o local foi ocupado em 18 de novembro de 2021, a luz do dia e completamente abandonado.

Pista ocupado pelo garimpo. No local havia um posto de saúde, mas que foi tomado pelos garimpeiros para servirem de local de armazenamento pelos criminosos (Créditos: Bruno Kelly/ Relatório Yanomami sob ataque)

Outra situação emblemática dos últimos dias foi a divulgação do relatório “Yanomami sob ataque: garimpo ilegal na Terra Indígena Yanomami e propostas para combatê-lo”, no qual revela um cenário de terror vivido pelos moradores da terra indígena Yanomami, em Roraima. O documento mostra o quanto o garimpo ilegal nestas terras cresceu, cerca de 3.350% (2016-2021). Além disso, denuncia como o garimpo afeta – e destrói – a saúde dos indígenas e a exploração sexual feita por garimpeiros que utilizam a fome de meninas e mulheres em troca de as estuprarem.

No Maranhão, em 2022, José Rodrigues, de 55 anos, foi a primeira pessoa, relacionada ao campo, assassinada em 2022. No dia 3 de janeiro, dentro de sua própria residência, na comunidade quilombola “Cedro”, em Arari. Além dele, o assassino também baleou a neta de seu José, de apenas 10 anos. Ela conseguiu sobreviver. O quilombo teve 5 moradores assassinados entre 2020-2022, todos por grileiros que buscam utilizar o território para cultivo de arroz e criação de búfalos.

Várias famílias já deixaram suas moradias e terras no quilombo por conta das ameaças (Créditos: Sabrina Felipe)

De acordo com a Comissão Pastoral da Terra, somente em 2021, nove pessoas foram assassinadas em conflitos por terras no Maranhão. Esse número coloca o Estado como o lugar de maior número de camponeses assassinados no ano. Na ocasião a CPT emitiu nota cobrando as autoridades do Governo do Maranhão por não estarem comprometida com a vida do povo do campo.

O Movimento Sem-Terra diz que o estado maranhense está há pelo menos 10 anos em posição de destaque negativo, sendo um dos locais mais perigosos para pessoas envolvidas na defesa de direitos à terra. A impunidade também é alta. Segundo a Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais e Agricultores Familiares do Maranhão (Fetaema), nos últimos 30 anos o estado maranhense teve pelo menos 140 homicídios no campo e menos de 5% foram resolvidos.

Kelli Mafort (Créditos: Leandro Taques)

A coordenadora nacional do MST, Kelli Mafort, declarou que a luta pela reforma agrária, apesar de muita dificuldade, continua, para que o Brasil tenha um futuro mais justo para com seu próprio povo: “A reforma agrária é um pilar fundamental para a democratização do acesso à terra, mas também para que, de fato, a gente tenha um projeto de país e uma sociedade que atenda à maior parte do seu povo”.

Confira mais sobre a entrevista de Kelli Mafort.

Acesse mais informações sobre o MST: sua história, lutas, educação, produtos, motivações, entre outras.

Saiba mais sobre ações do MST desenvolvidas no Maranhão.

Leave comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *.