Maranhão Independente

As notícias mais importantes escritas por jornalistas independentes do estado.
CNBB denuncia omissão do Governo do Maranhão em conflitos agrários

Maranhão: segundo a denúncia, seis pessoas foram assassinadas no campo apenas de junho a novembro. Foto: CPT.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) publicou nota na última quarta-feira (3) denunciando a omissão do Governo do Estado do Maranhão para combater o aumento de conflitos agrários no estado.

Segundo o documento publicado no site da Comissão Pastoral da Terra, desde junho 6 pessoas já foram assassinadas nesses conflitos nas cidades de Junco do Maranhão, Arari, Codó e Palmeirândia, como consequência de ações (ou inércia) do governo estadual:

Tal escalada de violência tem razões estruturais. A aposta governamental no aumento do agronegócio tem relação direta com casos de grilagem e morte no campo e o incentivo a megaprojetos, com o aumento da degradação socioambiental e a expulsão de comunidades a todo custo de seus lugares de vida. Somam-se negligências nas investigações por parte do Estado do Maranhão e instituições competentes, transformando a impunidade em verdadeiras licenças para matar.

A nota é encerrada com críticas e um apelo ao Governo do Maranhão:

Em breve se concluirá, oito anos de um governo de esquerda que promoveu muito mais a expansão do agronegócio, do latifúndio que se estende sobre os territórios de povos e comunidades tradicionais do que regularizar estes territórios em favor das vidas dos povos que vivem em suas comunidades. É inaceitável continuarmos vendo povos e comunidades tradicionais sendo vítimas da violência e da negligência estatal. Portanto, mais uma vez, bradamos que parem de matar os filhos da terra, e cobramos o Governo do Estado do Maranhão por esse banho de sangue. Nos solidarizamos e nos somamos em apoio às famílias vítimas de violências. Conclamamos a todos e todas filhas e filhos de Deus que possam levantar as vozes na defesa da vida de todos os povos e comunidades tradicionais que lutam por seu Bem Viver que está enraizado em seu território.

Leia a nota completa clicando aqui.

Histórico de conflitos no Maranhão

Dados da Comissão Pastoral da Terra mostram o tamanho do problema no Maranhão.

Dados de mortes no campo no Maranhão pelos conflitos agrários
Arte: Sâmia Martins

A nota da CNBB lista 6 pessoas que, agora, fazem parte dessa triste estatística:

  • Maria da Luz Benício e Reginaldo Alves de Barros, casal de trabalhadores rurais assassinados na comunidade Vilela, município de Junco do Maranhão;
  • Antônio Gonçalo Diniz, morto na comunidade Flexeiras em Arari no início de julho;
  • José Francisco de Sousa Araújo, assassinado a tiros no dia 11 de julho na comunidade de Volta da Palmeira em Codó;
  • Rosa Maria Gomes, morta no dia 15 de julho em Palmeirândia;
  • João de Deus Moreira Rodrigues, assassinado no interior de Arari em 29 de outubro.
A denúncia é sobre mortes de trabalhadores no campo no Maranhão. Ilustração em preto e branco de trabalhadores em frente a uma cruz velando um companheiro.
Ilustração: Samuel Bono/Repórter Brasil

Em julho deste ano, o Maranhão Independente entrevistou Sônia Guajajara, que foi candidata a vice-presidência nas eleições de 2018, e a liderança indígena já alertava sobre o posicionamento do Governo do Estado para que os conflitos por terras seja impedidos:

O Governo do Estado tem que assumir a responsabilidade de segurança pública e proteção ambiental, e não só empurrar pro Governo Federal, como sempre se fez.

Relembre a entrevista completa.

Texto: Sâmia Martins

Produção: Giovana Kury

Doações para o portal Maranhão Independente devem ser feitas para o pix giovanakury@gmail.com

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.