Maranhão Independente

As notícias mais importantes escritas por jornalistas independentes do estado.
Paralimpíadas: hipismo

Saiba mais sobre a modalidade hipismo. Foto: Marco Antônio Teixeira/MPIX/CPB.

Entrando no clima das Paralimpíadas, o MaInd está realizando uma série de matérias sobre os esportes que vão fazer parte dos jogos. Conheça mais sobre o hipismo.

Nessa modalidade, o adestramento do cavalo é o foco da disputa.

O hipismo paralímpico tem algumas adaptações importantes para tornar o esporte mais acessível:

  • a locomoção é facilitada porque a areia dos locais de competição são compactadas, também para dar maior segurança ao atleta;
  • existem rampas para acesso ao local de prova;
  • existem sinalizações sonoras para que sejam dadas orientações aos atletas cegos.

Quem pode praticar o hipismo nas Paralimpíadas?

Veja abaio as classes em que são divididos os atletas do hipismo paralímpico:

  • Classe I – cadeirantes com pouco ou nenhum equilíbrio do tronco, ou debilitados nos quatro membros;
  • Classe II – cadeirantes ou atletas com severa debilitação no tronco ou unilateral;
  • Classe III – atletas capazes de caminhar sem suporte, com moderada debilitação unilateral; atletas com total perda de visão em ambos os olhos;
  • Classe IV – debilitação de um ou mais membros ou algum grau de deficiência visual.

Hipismo nas Paralimpíadas

A estreia do hipismo nos Jogos Paralímpicos foi em 1984, mas logo a edição seguinte o esporte ficou de fora  e só retornou em Atlanta em 1996.

As povas nos Jogos são disputadas por homens e mulheres individualmente ou em dupla.

Medalhas do Brasil

Imagem do atleta de hipismo Marcos Fernandes Alves sobre o seu cavalo durante os Jogs do Rio em 2016.
Marcos Fernandes Alves, conhecido como Joca. Foto: Marcelo Regua/MPIX/CPB.

O Brasil tem duas medalhas na modalidade, ambas com o atleta Marcos Fernandes Alves, ambas nos Jogos de Pequim (2008) e as duas foram de bronze, uma no adestramento livre e outra no adestramento individual.

Próximos representantes

Dois atletas vão representar o Brasil na modalidade: Rodolpho Riskalla de Grande (SP) e Sérgio Froes Ribeiro de Oliva (DF). Além deles, vão outras 6 pessoas que incluem apoio, veterinária e coordenação técnica.

Quer ser um atleta paralímpico? Acesse o site da Confederação Paralímpica Brasileira clicando aqui

Leia outras matérias da série clicando aqui.

Doações para o portal Maranhão Independente devem ser feitas para o pix giovanakury@gmail.com

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.