Maranhão Independente

As notícias mais importantes escritas por jornalistas independentes do estado.
Paralimpíadas: goalball

O Brasil vem como uma potência no goalball e é uma das favoritas ao ouro. (Foto: reprodução/CPB).

Entrando no clima das Paralimpíadas, o MaInd está realizando uma série de matérias sobre os esportes que vão fazer parte dos jogos. Conheça mais sobre o goalball!

Ao contrário da maioria das modalidades paralímpicas atuais, o goalball não foi um esporte adaptado, mas sim uma modalidade criada especialmente para os deficientes visuais. Apesar de ter sido criado pelo austríacos Hanz Lorezen e o alemão Sepp Reindle em 1946, somente nos Jogos Paralímpicos de Pequim houve a sua estreia.

O objetivo é acertar a bola no gol adversário, em uma partida na qual os jogadores assumem os papeis de defesa e ataque. São três em quadra (alas direita, esquerda e pivô) e três reservas.

As dimensões da quadra são 18 m x 9 m, e o jogo é disputado em dois tempos de 12 minutos cada, com intervalo de 3 minutos. A bola tem 76 cm de diâmetro e pesa 1,25 kg, além de ter um guizo em seu interior para auxiliar os atletas (por essa razão, o estádio deve estar em silêncio absoluto). O seu arremesso deve ser rasteiro.

Os seis atletas brasileiros da seleção masculina de goalball estão no pódio da Rio-2016; estão sorridentes, com a medalha de bronze no pescoço e vestem um moletom verde escuro; ao fundo, o público aplaude.
A seleção brasileira masculina de goalball foi bronze nos Jogos Olímpicos do Rio em 2016. (Foto: Washington Alves/MPIX/CPB)

Ganha o jogo quem, ao término do tempo regular, tiver a maior quantidade de gols. Porém, se uma equipe abrir dez pontos, há o chamado “game” e o jogo acaba.

A classificação da deficiência dos atletas é a seguinte (considerando que quanto menor a classificação, maior o grau da deficiência):

  • B1: cego total;
  • B2: percepção de vultos;
  • B3: consegue definir algumas imagens.

Em todas as categorias os atletas colocam uma venda com fita para garantir a igualdade nas disputas.

O goalball brasileiro nas Paralimpíadas

Atualmente, o Brasil tem duas medalhas em Jogos Paralímpicos. Foi prata na edição de Londres em 2012 com a equipe masculina (formada por Alexsander Celente, Filippe Santos Silvestre, José Roberto de Oliveira, Leandro Moreno da Silva, Leomon Moreno da Silva e Romário Diego Marques), e bronze no Rio-2016 também com a equipe masculina (composta por Alex de Melo, Alexsander Celente, Leomon Moreno, Josemarcio Sousa, Romário Marques e José Roberto Oliveira).

Nos Jogos Paralimpícos de Tóquio, a seleção brasileira feminina e masculina de goalball despontam como favoritas à medalha de ouro. Na disputa masculina, o Brasil será representado pelos jogadores: Alex “Labrador”, Emerson da Silva, José Roberto Ferreira, Parazinho, Leomon Moreno e Romário Marques; já no Goalball feminino, as atletas convocadas foram: Ana Carolina Duarte, Ana Gabrielly Brito, Jéssica Vitorino, Katia Ferreira, Moniza de Lima e Victória Amorim.

Saiba quais clubes no Maranhão são filiados à Confederação Brasileira de Desportos de Deficientes Visuais (CBDV).

Veja a nossa série completa sobre as Paralimpíadas na nossa editoria de Esporte!

Veja um resumo do conteúdo no vídeo abaixo!

Doação via pix para o MaInd pelo e-mail giovanakury@gmail.com
Doação via pix para o MaInd pelo e-mail giovanakury@gmail.com

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.