Maranhão Independente

As notícias mais importantes escritas por jornalistas independentes do estado.
Olimpíadas: esgrima

A esgrima Foto: COB/Wagner Roberto.

Entrando no clima das Olimpíadas, o MaInd está realizando uma série de matérias sobre os esportes que vão fazer parte dos jogos.

Embora não seja um dos esportes mais populares do mundo, a esgrima (como prática, não como esporte) é originado ainda na Pré-história, uma vez que os movimentos desse esporte eram utilizados pelos homens na caça, além de ser uma forma de combate. Mas a prática só se tornou esporte no Século XVIII quando foi definida vestimenta de proteção, especialmente a máscara para cobrir os olhos.

Modalidades da esgrima

As modalidades da esgrima são definidas de acordo com a arma utilizada:

Espada: arma de 770 gramas. Nessa modalidade, pode ser tocada qualquer parte do corpo e os toques simultâneos entre os esgrimistas são válidos. Até o início do século XX essa arma ainda era bastante utilizada.

Florete: arma de 500 gramas. Nessa arma não há ponta e ela é mais leve do que a espada, mas essa modalidade é bem mais difícil do que a anteriorporque exige que o toque seja realizado apenas no tronco e com movimentos elegantes. O auge do uso do florete foi no século XVIII.

Sabre: també tem 500 gramas, mas é menor em comprimento (2 cm). Nessa modalidade, o atleta pode ser tocado também com a lateral da lâmina e o adversário pode ser tocado em várias partes do corpo: cabeça, tronco, ombros, braços e antebraços.

Embora espada e sabre tenham sido armas/modalidades mais comuns no passado, seguem fazendo parte das competições do esporte, inclusive nos Jogos Olímpicos.

Esgrima nas Olimpíadas

A esgrima está presente desde o início, em 1896, na primeira edição dos jogos olímpicos da era moderna em Atenas.

Nas competições de esgrima, os atletas têm como objetivo marcar cinco pontos na fase classificatória. Depois disso, é feita a fase eliminatória em que são realizados três saltos de três minutos e o número de pontos a alcançar é 15.

Os pontos são computados pelos sensores presentes nas roupas dos esgrimistas.

Próximos representantes

O Brasil não conquistou medalhas na modalidade em Jogos Olímpicos, mas já temos definidos dois nomes que podem trazer a medalha inédita:

Atleta de esgrima Nathalie Moellhausen
Foto: Reprodução/Olimpíada todo dia.

A esgrimista Nathalie Moellhausen conquistou a vaga por ser campeã mundia de espada. Já Guilherme Toldo se classificou pelo florete durante o Grand Prix de Florete em Doha, no Catar.

Atleta de esgrima Guilherme Toldo
Foto: Reprodução/Olimpíada Todo dia.

Curiosidade

Antes do uso dos sensores eletrônicos, o método usado era o giz. Isso mesmo! A ponta das armas eram pintadas com giz e os juízes precisavam verificar essas marcas nas roupas dos atletas para contabilizar os pontos.

Quer saber mais sobre o esporte, clique no site da Confederação Brasileira de Esgrima.

Leia outras matérias da série clicando aqui.

Doação via pix para o MaInd pelo e-mail giovanakury@gmail.com
Doação via pix para o MaInd pelo e-mail giovanakury@gmail.com

1 comentário em “Olimpíadas: esgrima

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.